Tradução juramentada

Imigração

Qual a documentação necessária para imigrar aos destinos mais procurados por brasileiros?

Seja por motivação profissional ou pessoal, muitos brasileiros optam por morar fora do Brasil, e o número tende a aumentar em períodos de crise econômica, como o atual. Segundo dados do IBGE, o destino favorito dos brasileiros para migrar são os Estados Unidos. Graças ao status do país de potência econômica, terra da liberdade e das oportunidades, o imaginário do “sonho americano” acaba atraindo o interesse de muitos brasileiros. A forma mais fácil de entrar nos Estados Unidos legalmente é adquirindo o chamado visto de trabalho H1-B, aplicável a profissionais qualificados que são contratados por empresas norte-americanas. O número de vistos deste tipo emitidos anualmente é limitado e a recessão econômica ainda é uma realidade nos Estados Unidos atualmente (o que dificulta contratações em geral), mas ainda assim esta é a forma mais “fácil” para entrar no país legalmente. Uma atenção especial à documentação é necessária neste caso, uma vez que, embora instituições de ensino não exijam tradução juramentada de documentos (por este tipo de tradução não é comum nos Estados Unidos), o processo de emissão do visto exige. Logo, é necessário providenciar a tradução juramentada de diplomas, certificados e comprovantes de sua experiência profissional para dar entrada no processo de aquisição do visto e contratação.

O segundo destino mais procurado por brasileiros para migrar é Portugal. Apesar da forte recessão econômica do país, determinados laços consanguíneos permitem a solicitação da cidadania portuguesa, que oferece aos naturalizados passaporte português e acesso a todos os países da União Europeia. Assim, não é preciso conseguir um emprego em Portugal para migrar caso você seja descendente (neto ou filho) de portugueses. Outra vantagem que o país oferece é a proximidade idiomática, visto que o compartilhamento do idioma com o Brasil não demanda dos naturalizados o esforço de ter que aprender uma nova língua. A documentação específica solicitada dependerá de onde for dada a entrada no processo de naturalização e das particularidades burocráticas referentes a cada grau de parentesco (se neto ou filho, onde os ancestrais nasceram, se já são falecidos, etc.). Já os que desejam trabalhar em Portugal, apesar da recessão o país possui uma grande carência na área de TI, que pode oferecer boas oportunidades aos profissionais deste nicho. Lembrando que, mesmo com a proximidade linguística, é importante estar atento à possível necessidade de tradução de documentos para o português do país. Em Portugal, não se costuma solicitar a tradução juramentada, mas em caso de traduções oficiais o tradutor precisa responsabilizar-se pela tradução perante um notário ou advogado.
Fique atento: Quando o assunto é documentação, a legislação de cada país apresenta suas variáveis, principalmente quando falamos sobre imigração. É importante não só estar com a documentação em dia como saber o formato específico em que ela é exigida.

Revisão: a última etapa, mas não menos a importante

Nos processos de manipulação de conteúdo, a revisão é certamente a etapa mais subestimada e certamente a menos financeiramente custosa. A revisão costuma ser preterida em detrimento das etapas que envolvem algum tipo de criação ou transformação mais intensa do conteúdo. A produção textual e tradução são atividades muito mais reconhecidas que a revisão, isso porque a revisão é uma atividade mais dependente de outras, o que não quer dizer que seja menos importante.

Nem todos que precisam produzir conteúdo são jornalistas ou especialistas em outras área da Comunicação ou Letras. Na verdade, a maioria não é. Acadêmicos e executivos, por exemplo, produzem conteúdo o tempo todo, ainda que a área de formação dessas pessoas possa estar longe de garantir-lhes uma fluência profissional na escrita. Embora o texto original dê as diretrizes principais do conteúdo, é na revisão que ele encontrará fluência, coesão e até mesmo coerência. O trabalho de revisar não consiste apenas em verificar possíveis erros de gramática, pontuação e digitação, ele serve também para adequar a linguagem do texto ao seu público-alvo, para dar ritmo e fluidez à leitura. Todos certamente já se depararam com um texto que parece frear a própria leitura, cujas sentenças são mal dosadas (longas demais ou incompletas) ou que parece ter sido escrito em mais de um estilo. Estes problemas não passam despercebidos aos revisores e cabe a eles solucioná-los, aparar as arestas do texto.

No âmbito da tradução o trabalho de revisão é ainda mais complexo. Além de incluir todos os aspectos anteriores, a revisão de uma tradução começa por sua comparação ao texto original. Será necessário então averiguar se a tradução corresponde ao original no que tange ao nível da linguagem (se mais ou menos formal), se expressões idiomáticas foram adequadas e não traduzidas de maneira literal e se houve interferência do tradutor na mensagem geral do texto original. Ou seja: assim como ajuda a dar a forma final do texto, a revisão faz o mesmo pelo trabalho de tradução e seu papel é central na qualidade final da manipulação de qualquer tipo de conteúdo.